sábado, 5 de agosto de 2017

Uma prova de amor

Para ingressar em uma instituição que desejo, realizei uma redação. Como tema, me foi solicitado que escrevesse uma carta para um amigo sobre, em resumo, a importância da leitura, e incentivando-o a ler. Fiquei muito feliz com o tema e saí de lá com os olhos brilhando de felicidade. Em seguida, vim para casa transcrever a mesma para vocês. Espero que seja útil.

Caro amigo,
Uma das frases que mais marcaram minha infância foi dita por minha mãe: “Não se nega a ninguém água e livros”. E ela, ainda hoje, leva está crença muito a sério. Ao seu modo, ela falava sobre o direito do ser humano ao acesso a necessidades básicas.
Lembro que ela sempre trabalhou muito. E a cada retorno, trazia de presente um livro que comprava na rodoviária. Não importava o tema. Certa vez, ganhei um dicionário de japonês e outro de alemão. Já na infância, conhecia autores que é maioria das crianças levaria ainda alguns anos para conhecer.
Assim começou meu prazer pela leitura e curiosidade sobre novos temas. Muitas vezes me pego dissertando sobre temas que tive a chance de conhecer nestas centenas (sem exageros) de livros que já li. Minha mãe me fez ver a leitura como uma grande oportunidade de vencer na vida. E isso me abriu, e ainda abre, muitas portas.
Leio sobre tudo: de bula de remédio a best sellers. E como isso me ajuda? Não tenho preconceitos, porque minha mente se abriu completamente. Não tenho medo do novo, porque sei que sempre posso aprender com ele. Posso atuar em qualquer área, porque não tenho medo de aprender. Não me coloco na posição de vítima, porque sei que minhas portas sou eu quem abre.
Por estas e outras razões, te convido a tomar seu futuro em suas próprias mãos. Saia do conforto e das opiniões prontas e dadas a você pelos outros. Faça seu próprio destino. Leia tudo. E seja um ser humano feliz e muito melhor. Além de, consequentemente, em ser social produtivo e formador de opinião.

                                                               Com respeito,
                                                                Kassia Luana
Ainda não sei o resultado da prova. Mas, a reflexão que me fez ter foi um grande presente.
Muito obrigada!
Namaste

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Você está cercado de anjos

Até pouco tempo eu não racionalizada muito sobre amizade. Amigos para mim eram as pessoas que me ouviam, sorriam e se divertiam comigo. Se tudo ia bem, continuávamos nos vendo. Se as coisas começavam a ficar estranhas, eu desaparecia e a amizade terminava. Ponto final. Uma coisa que sempre notei é que a maioria das “amizades” que tive dentro deste esquema queriam coisas absurdas (sei disso hoje) em troca: que eu pagasse bebidas; desse acesso a festas; ou que fosse a amiga obediente... E eu fazia. Inconscientemente, eu sabia que se não fizesse aquilo eu não teria essas pessoas por perto. Achava estranho quando alguém dizia que tinha amigos de infância. Me perguntava se tinha também. Então começaram as transições.
Há pouco mais de 4 anos eu comecei a ver o vazio dessas relações de maneira consciente. E fui limpando, devagar. Aos poucos fui notando que, dentre as pessoas que estavam no meu círculo, haviam algumas que me amavam mesmo. Achei aquilo o máximo. Mas estava envolvida demais com trabalho, casamento e outras coisas que não tinha como focar muito nisso. Mas já sabia diferenciar quem “era de verdade” e quem “era de mentira”. E então veio o divórcio. O dinheiro acabou, o prestígio dos antigos trabalhos também, a auto estima foi para o lixo e, acreditem, a lista de amigos pulou de dezenas para pouquíssimos. Mas descobri uma outra categoria: os anjos.
Quando crianças, aprendemos a acreditar nos anjos loirinhos, com carinha de bebê e asas brancas, que, apesar de nunca conseguir vê-los, sabemos que eles estão ali nos protegendo, independente das circunstâncias. Então crescemos e descobrimos que temos diversos tipos de anjos: espíritos, antepassados, nossos pais... E espíritos encarnados, evoluídos, que estão na terra para fazer o bem. Por mais que pareça difícil encontrá-los neste mundo, já que fomos condicionados a ver sempre o lado negativo das coisas, eles estão por toda parte. Mas você precisa estar preparado.
Voltando a falar de amigos, quando as coisas ficaram mais difíceis do que eu poderia conceber naquele momento, meus amigos me deram muita força. Mas os anjos que estavam a minha volta me ajudaram a mudar de vida. Eu brinco que Deus preparou uma força tarefa para me alavancar naquele momento. Além da minha mãe e tias, três amigos que, não por coincidência, são irmãos entre si, me apoiaram dando suporte, auxiliados por uma grande psicóloga, para que eu cuidasse da minha saúde mental, em primeiro lugar, seguida da saúde física.
O processo foi longo e emocionante. Foram muitas etapas mas vou citar algumas partes do processo: não me faltou alimento, carinho, cuidado, compreensão, respeito, atenção, amor... Eu estava me sentindo um lixo. Acreditava que as pessoas que desapareceram tinham ido por minha causa e que eu não merecia a “amizade” delas. Então esses anjos me apresentaram outras excelentes pessoas que também se tornaram meus amigos. E sabe o que esses anjos, amigos e novos amigos me pediram em troca? Que eu fosse feliz. Que eu me encontrasse. Que eu retomasse o caminho que eu sabia que tinha perdido. Que eu aprendesse a amar essa pessoa que vos escreve... E eu não os decepcionei.
Se hoje escrevo para vocês e ajudo mulheres e homens a superar adversidades, é porque eu fui ajudada. Se eu me amo e me valorizo como valorizo hoje, é porque fui amada e valorizada. Se me lembro deste Ser que vive dentro de mim e me guia para a evolução o tempo todo, é porque este Ser não esquece de mim nem por um segundo, porque eu sou parte dele e ele de mim. Por esta razão, a minha página é aberta para que as pessoas que querem falar, conversar, descobrir novas coisas possam me procurar. Tem muito amor em cada palavra que escrevo.
Perdi o medo das pessoas e passei a confiar mais nelas. Descobri que sim, tenho grandes amigos de infância e passei a confiar mais neles e me abrir para ouvir e ser ouvida. Descobri que a mudança do mundo começa por nós mesmos. Descobri que quanto mais damos amor, mais recebemos (assim como qualquer outra coisa). Por isso me sinto preparada para te dizer que sim, estamos cercados de anjos. Basta abrir os olhos da mente e do coração.
Muito obrigada!
Namaste

segunda-feira, 24 de julho de 2017

A doença da falta de empatia

Uso muito as redes sociais para trabalhar, para pesquisas pessoais e para rir um pouco também. Leio muito os comentários, seja nas matérias, no perfil de pessoas que admiro ou nas páginas de humor. E uma coisa tem me chamado muito a atenção: a falta de empatia.
Vou listar aqui algumas frases que li nos últimos dias: “esse é o menos detestável dos seus filhos” (Se referindo a uma criança de 4 anos mais velha se 3 filhos de uma empresária famosa); “fico me perguntando o que ela estava fazendo lá para isso acontecer” (sobre uma menina que foi sequestrada aos 14 anos, viu seu pai morrer e foi estuprada durante 6 meses, todos os dias, por membro do Estado Islâmico); “não adianta ser rica e tão feia, com cara de velha” (sobre uma artista de 22 anos que fez aniversário recentemente); e por aí vai.
O que será que essa mãe sente ao ver pessoas falando e julgando seus filhos, com menos de 4 anos, como adultos? Como será que uma menina que passou por tudo que passou aos 14 anos, e que atualmente está internada em um hospital psiquiátrico, se sente em relação a tudo que passou? E como ela se sentiria ao ser culpada pelo que aconteceu? Como uma jovem de 22 anos se sente ao ver pessoas falando do seu peso e aparência e a julgando por isso? Posso te resumir a resposta em uma palavra: dor.
Dói muito ouvir coisas ruins sobre a pessoa que amamos. Dói passar por traumas e ver o dedo da sociedade apontado para você, te culpando por coisas ruins que te aconteceram, como se já não bastasse o sofrimento do fato em si. Dói aprender a lidar com sua aparência em uma sociedade que presa tanto pela beleza, conquista e tantas coisas e ver que muitas pessoas não veem nenhuma das suas vitórias, só o que consideram diferente.
A minha vida mudou bastante desde que comecei a agir da seguinte forma: falo e faço com os outros apenas o que quero que façam comigo. E isso começa desde as pequenas atitudes: o “bom dia” a todos que encontro, o sorriso, a palavra amiga, sendo solicita e muito grata a todos, escrevendo sobre coisas que gostaria de ler... E por aí vai. O retorno é inegável! As pessoas são muito mais solicitas comigo, ficam mais calmas e mais agradáveis, sorriem pra mim, ficam gratas também e essa incrível troca de energia beneficia as duas partes e ao ambiente.
Se fazemos o bem o bem retorna, é claro que fazendo o mal ele retorna também. É inegável! Agredir, diminuir ou ofender pessoas, seja por inveja, raiva ou por que motivo for, vai trazer para a vida muito, muito mais do que detesta e te afastar ainda mais do que você realmente almeja. Eu, sinceramente, me recuso a acreditar que alguém em sã consciência queira, deliberadamente, fazer mal a outra pessoa. Eu ainda acredito nos seres humanos. Eu acredito em você! Seja a mudança. Faça o teste. Não vai se arrepender!

Muito obrigada!
Namaste

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Seu passado foi seu maior professor

Até seu pior pesadelo merece sua gratidão!
Já se pegou imaginando como seria o passado se  não acontecesse certas coisas? E tentando imaginar o futuro? Pois eu tenho ótimas notícias para você: 1. No seu lugar eu não apagaria o passado. Ele aconteceu como tinha que acontecer. 2. Seu futuro pode ser do jeito que você imagina. Duvida? Então eu vou te explicar.
Por que você não apagaria as bobagens que fez, sua louca? (Risos) Esta semana li uma frase muito interessante que dizia o seguinte: “os períodos de sofrimento também são os períodos de mais aprendizado”. Se você não tivesse passado por tudo que você passou (as decepções com amizades, as desilusões, as demissões, as brigas, os caminhos tortos...) teria aprendido tudo que você aprendeu? Com certeza, não. As pessoas mais fortes e mais felizes que conheço levaram o velho ditado de “fazer do limão uma limonada” ao pé da letra.
Mulheres que passaram pela dor do aborto e se tornaram excelentes mães. Pessoas que tiraram da demissão a força para se tornarem grandes empresários. Crianças que sofreram abuso e se tornaram adultos que combatem a violência e a exploração infantil. Pessoas que perderam entes queridos e se tornaram exemplos de amor e União na família. Mulheres que passaram por divórcios traumáticos e ajudam outras pessoas a encontrar amor, paz e conforto (começando de dentro).
Aí vai mais uma frase que ouvi está semana: "O segredo do sucesso é persistência". Mesmo que você relute em aceitar esta afirmação, deve admitir que tem sua lógica. Se essas pessoas acima tivessem desistido de tudo, não existiriam empresas como Mac Donald, Walt Disney, Microsoft, Appel, SBT,  grandes nomes como Louise Hay, Tony Robbins, Oprah Winfrey, e com certeza eu não estaria aqui escrevendo para vocês...
Aí vai mais uma coisa que elas tem em comum: além de persistentes, elas entenderam que não fomos criados para a derrota. Somos seres vencedores e felizes por natureza. Sendo assim, não podemos admitir, em hipótese alguma, a tristeza, a infelicidade, a doença... nada disso é natural. O ser humano,  em sua essência, é perfeito. E como ser perfeito não é triste, nem infeliz e nem doente. Entende? É você quem está no comando!
Note que se você acorda e pensa: hoje vou ter um dia maravilhoso e nada vai me abater. Seu dia, automaticamente se torna maravilhoso. Mas se você já dorme e acorda pensando: segunda-feira é um dia “de merda”, adivinha o que acontece? Já acorda batendo o dedinho na quina da cama. E isso é só o começo. Então, se é você quem determina seu dia *e a vida é feita de um dia após o outro* por que não torna-la melhor e muito mais feliz?
O passado já se explica por si só: É passado! Aceite o presente que é o presente e tenha um futuro brilhante! Não precipite as coisas. Viva um dia feliz de cada vez e seja grato por tudo. No futuro você vai notar o quanto isso é importante.
Muito obrigada
Namaste

Conhecidos não são seus amigos!

Não confunda os papéis
Quem nunca confundiu um conhecido com um amigo? Muito normal. Principalmente na juventude. Acreditamos que aquela pessoa com quem saímos pra dançar, ou aquela com quem dividimos a mesma opinião sobre determinado tema, ou ainda aquela pessoa com a qual conversamos algumas vezes é nossa amiga. Criamos expectativas e, consequentemente, em seguida vem a decepção.
Depois de muito “bater com a cabeça” eu tive a oportunidade de reconhecer o que é amizade de verdade e descobrir que eu tenho poucos amigos, mas a qualidade deles é altíssima. E sabe como descobri? Através de atos. Nada de promessas ou palavras que voam. Mas atitudes.
Por exemplo: apesar de até pouco tempo ter a aparência muito fechada, algumas pessoas conseguiam ver muito além disso e despertar meu lado leve e bem humorado. Até pouco tempo, não acreditava em advogados por conta de muitas experiências ruins que tive com eles. Uma grande amiga me mostrou que as coisas não podem ser generalizadas e outra se tornou minha advogada *uma das pessoas mais honestas que conheci.
Apesar de saber que precisava, tinha receio de terapia e medo do formato tradicional das consultas (pelo menos as que são mostradas nos filmes). Então fui apresentada a duas profissionais fantásticas que me mostraram que a terapia salva vidas. Foi através de grandes amigos que descobri o potencial que a minha mente tem e a importância de entender que ela pode ser organizada e me levar onde eu quiser (e onde não quiser também. Cuidado!). Foi através de amigos (grandes amigos) que descobri que é possível sim fazer amizade com colegas de trabalho e separar perfeitamente as coisas.

E, ao contrário do que imaginava, meus amigos não tem opiniões exatamente iguais as minhas. Pelo contrário: quase todos eles tem opiniões muito diferentes sobre política e outros temas, por exemplo. Mas uma coisa temos  comum: o respeito pela opinião do outro e pelo outro. E mais um ponto: o amor incondicional e recíproco que tem por mim.
Amigos te mostram quando você está errado e não deixam de te amar por isso. Amigos estão ao seu lado, comemorando sua Vitória enquanto seus olhos brilham de felicidade pela Vitória deles. São aqueles com os quais você pode chorar sem medo de ser julgado, porque não vai. Amigo é aquele com o qual você sabe que pode contar e que ajuda a ser cada dia melhor, mesmo depois de muito tempo sem ver. Amigo é aquele que te faz alegre só de chegar, porque a energia dele e boa, positiva e ele só tem a acrescentar na sua vida.
Entende a diferença entre conhecidos e amigos? Quando você entende o quanto a energia das pessoas pode influenciar na sua vida, você entende o quanto é importante selecionar melhor quem entra ou sai dela. Eles não sugam energia, só elevam.

Muito obrigada
Namaste

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Vamos seguir em frente?

Há momentos na vida em que é preciso ter muita força. Se agarrar a fé com toda força e ter a certeza de que essa dor insuportável vai passar. Porque, se tem uma pessoa que pode te dizer que vai passar sou eu. E quem disse que é fácil? Se fosse fácil não seria valorizado depois. Passaríamos por isso sem notar porque é isso que fazemos com o Sol, que brilha pra nós diariamente e só lembramos dele quando chove; com a nossa saúde, que está nos dando suporte todos os dias mas só lembramos dela quando adoecemos; ou nossos pais que estão sempre ali pra nós mas só lembramos disso quando temos a possibilidade de perde-los ou os perdemos...
Eu já senti tudo que você está sentindo. E muitas vezes ainda sinto. Mas aprendi que nesses momentos sempre tem portas que se abrem. Mas nossos olhos embaçados de lágrimas não nos permitem ver. Hora de enxugar os olhos, respirar fundo, passar rímel e ir a luta. Tem alguém zelando por você neste momento. Você nunca está sozinho. Eu estou aqui. Sinta-se abraçado e muito, muito amado. Vamos seguir em frente?


domingo, 25 de junho de 2017

Como parei de fumar e usar sonífero

Spoiler: não existe fórmula secreta!
Comecei a fumar pouco antes dos 20 anos. Um cigarro ou outro na faculdade, quando bebia, depois um cigarro ou outro pra desestressar durante a semana, então comprei a primeira carteira e... lá se foram mais de 10 anos. Meu ego me deixava muito ansiosa, agitada. Tinha variações bruscas de humor, TPM fortíssima desde a primeira menstruação, trabalhava muito e sempre gostei da noite. Então, como tinha imensa dificuldade de cumprir compromissos durante o dia, resolvi recorrer a médicos que me receitaram os remédios tarja preta.
Então era o seguinte: durante o dia, pra fugir dos momentos de estresse, cigarro. A noite, para desacelerar a mente, sonífero. Isso se tornou ainda mais intenso depois do divórcio. “Como assim vou ficar na cama sozinha? Que nada, vou aumentar a dose e a noite vai passar que não vou nem sentir...” E não sentia mesmo.
Como citei em outros artigos, tenho estudado há alguns anos o Budismo, sendo acompanhada por uma terapeuta fantástica e, mais recentemente, tive uma mudança revolucionária na vida quando conheci a filosofia Seicho-No-Ie. É muito parecido com o Budismo. A gratidão é o primeiro e mais importante passo. Você entende que a sua mente te adoece e te cura, te enriquece ou empobrece, cria o sofrimento e o destrói.
Limpando a mente através da meditação e práticas, você descobre que é você quem determina como será o seu dia, seu futuro... Você entende que é energia. E que essa energia precisa ser trabalhada para ser sempre positiva. Que o pensamento coletivo pode ser perigoso e o quanto devemos ter cuidado com quem dividimos a nossa energia. Que somos um com a natureza e que, destruindo a natureza estamos nos destruindo.  Dentre outras coisas.
Então, eu não tinha o objetivo de parar de fumar ou usar os remédios. Na minha cabeça já fazia parte de mim. Fui descobrindo que muitos dos nossos atos são feitos, de forma inconsciente, para nos punir por algo que acreditamos merecer punição; que não era tão difícil quanto parecia ficar em silêncio e passar momentos dedicados a mim mesma. Que nosso corpo reflete tudo que pensamos ou dizemos. Fui descobrindo que mudando a forma de pensar, muda-se falar, o agir e tudo vai se encaixando. Evitar palavras negativas ou pensamentos como tristeza, raiva e vingança são passos primordiais.
 Se afastar de toda e qualquer pessoa que não seja verdadeira. Entenda: não foi uma escolha. As coisas foram acontecendo natural e gradativamente.
Uma das primeiras coisas que notei foi o fim da TPM. Sim, acabou. Sem choro, sem nervoso, sem brigas. Fim. Em seguida, notei que desde criança tinha dificuldade em ir ao banheiro e cheguei a passar 20 dias sem ir. Agora vou diariamente todas as manhãs. Meu cabelo cai muito menos. Minha pele ficou mais limpa e eu me tornei uma pessoa mais agradável e feliz. Meu apetite voltou com tudo. Nada de passar horas sem comer ou trocar refeições por petiscos.

Então, voltando ao cigarro e aos remédios, eu descobri que existiam alguns gatilhos para que eu fumasse: acordei, meditação, café = cigarro. Almoço, café =cigarro. Um aborrecimento com alguma coisa, ainda que pequena = cigarro. Não estava fazendo nada= cigarro. Jantar, café = cigarro. Cervejinha com os amigos= cigarro... Mas se estivesse concentrada em algo, curtindo praia, relaxando, praticando atividade física... podia passar muitas e muitas horas sem fumar ou lembrar do cigarro.
Comecei a perceber, depois de um tempo, que não era culpa da cerveja, do café, da comida... O meu ego associava todas essas coisas ao cigarro e isso virou um hábito. Ou seja, mesmo sem vontade eu acendia o cigarro. Então percebi que acendia e cada vez fumava menos. Jogava o cigarro inteiro fora, depois de dois tragos. Isso significava que o vício virou um hábito e que, se era um hábito, poderia ser modificado. Assim como o remédio. Fui diminuindo a dosagem dia após dia. E quando já estava na mínima meu ego dizia pra mim: “você não vai dormir”; “deixa pra parar na folga do trabalho”; “deixa pra parar na segunda-feira”; “quer ficar sozinha com seus pensamentos?”...
Quando vi que ambos eram fuga e hábito, decidi que esses hábitos não podiam dizer quem eu era nem o que fazia. Comecei a ficar incomodada com a fumaça do cigarro e ao mal que causava a natureza. Notei que quando alguém me pedia um cigarro eu falava pra ela não fumar porque sabia que lhe faria mal. Mas, porque isso não acontecia comigo mesma? Então, parei de alardear que pararia de fumar (como disse antes, a energia das pessoas contribui muito para o declínio ou levantamento de um projeto). Comprei uma carteira de cigarro, fumei, coloquei na bolsa e lá ela permanece até hoje. Sem alarde. Sem publicidade. Só parei e pronto. Quando me vejo lembrar do cigarro pergunto: É vontade ou hábito? Sinto que era realmente hábito e passa. Na hora de dormir, enfrentei meus pensamentos, medos e fui deixando o remédio também.
O processo não é rápido. Não espere isso. Parar de fumar foi uma consequência, não um objetivo. Ainda falarei sobre este processo algumas vezes para quem quiser abandonar hábitos de longos anos e farei vídeos sobre o tema para aborda-los com maior profundidade. Mas, em resumo, o processo depende desses fatores: se livrar da culpa, conhecer e enfrentar seu ego, dominar sua mente e cuidar da sua energia e espiritualidade. Quando você se conecta com o Deus que vive e brilha dentro de você, nada nem ninguém pode te dominar ou manipular. Vale a pena tentar!

Muito obrigada!
Até a próxima!
Namaste