terça-feira, 16 de junho de 2015

Sobre as vítimas:


Quanto mais acomodada, mais se sente vítima... Já notou isso?
A culpa é do chefe, da vizinha, do marido, do pai, da mãe, do ex... Sempre tem um culpado. Que nunca é a própria pessoa...
Vivem chorando, reclamando... e quando não conseguem o que querem através do drama e da posição de vítima, apelam por denegrir a imagem do outro, puxar o saco do superior... Manipuladores natos. Estão sempre com o dedinho apontado para o defeito das outras pessoas enquanto ela... hum... ela é perfeita e, claro, apenas uma vítima.
Tenho certeza que você conhece alguém assim. Não vou sentar e dar dicas de como lidar com essas pessoas, porque eu mesmo não sei. Opto sempre por ignorar.  Não consigo seguir aquele ditado de “trazer o inimigo pra perto” porque só quero perto de mim pessoas boas, que me acrescentem algo.

O que um ‘vitimista’ pode acrescentar na minha ou na sua vida além de estresse? 

segunda-feira, 15 de junho de 2015

O falso santo

Desconfie de quem tenta provar santidade, honestidade o tempo todo. Quem é bom, é bom. Quem é honesto, é honesto. Não precisa repetir isso o tempo inteiro, nem precisa tentar provar que os outros não são. Em minha modesta opinião, essa necessidade de provar o tempo todo alguma coisa só que dizer que não é nada daquilo. Ou está tentando convencer a si próprio. Mas, como a maioria das pessoas não gosta de sinceridade (apesar de arrotar o tempo inteiro que ama gente sincera) são essas as pessoas consideradas “boazinhas” e “queridinhas”. Como o que me sustenta não é elogio, prefiro ser respeitada que elogiada.