quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Você é a vítima, a azarada ou a Fênix? – A escolha é sua!



Quando algumas das pessoas que me conhecem há mais de 10 anos falam sobre minha vida muitas delas dizem, que sou azarada. Outras dizem que faço muitas escolhas ruins. Existem, aquelas que me consideram uma Fênix. Conhece a lenda?
Em resumo, a fênix “é um pássaro da mitologia grega que, quando morria, entrava em autocombustão e, passado algum tempo, renascia das próprias cinzas. Outra característica da fênix é sua força que a faz transportar em voo cargas muito pesadas, havendo lendas nas quais chega a carregar elefantes. Podendo se transformar em uma ave de fogo. Teria penas brilhantes, douradas, e vermelho-arroxeadas, e seria do mesmo tamanho ou maior do que uma águia... A vida longa da fênix e o seu dramático renascimento das próprias cinzas transformaram-na em símbolo da imortalidade e do renascimento espiritual”.

Passei pela faze do vitimismo: “Oh Deus, tudo de ruim só acontece comigo”; “Por que eu?”; “Qual o problema comigo?”; “Por que tenho atraído tantas pessoas ruins para minha vida?”. Depois tive a fase da culpa: “Tal pessoa fez isso comigo porque eu mereci”; “perdi isso ou aquilo porque mereci”; “este sofrimento é porque eu deixei”. E por aí vai. Mas então, sempre que esses pensamentos tentavam me roubar a mente me lembrava da amiga que me colocou o apelido de Fênix e das que, diariamente, me lembram que sou uma.

Mas dessa vez, ao invés de me levantar sozinha procurei apoio, ajuda de quem tem mais conhecimento sobre dois temas que podem e vão mudar a sua vida para melhor, se você permitir: psicologia e espiritualidade. Sim, mente e espirito. Entrei de corpo aberto nesses dois mundos, que até pouco tempo julgava sem importância e comecei a descobrir como e porque as coisas aconteciam, que sinais a vida estava me dando, o que tinha que aprender com as pessoas a minha volta.

Uma das primeiras coisas que fiz foi aprender sobre gratidão. Cada um percorre o caminho de forma diferente. Este foi o meu. Mesmo afundada em dívidas, terminando mais um relacionamento destrutivo e tumultuado, ao meu lado estavam as pessoas que me consideravam como o pássaro. Me ajudando, confortando, ouvindo, protegendo... O que será que o Universo queria me dizer com isso? Eu entendi como um: Pare de reclamar e comece a agradecer.

Então, da hora que acordo até a hora de dormir, agradeço. Por tudo. Ter um teto, saúde física e mental, amigos de verdade, amor da minha família, alegria de viver, oportunidades, conhecimento... Depois comecei a perdoar. E a primeira pessoa que precisa ser perdoada é você mesmo. A culpa não é sua. Você não pode se culpar pelas atitudes dos outros, pelos maus hábitos das outras pessoas, por alguém ter te destratado ou não te tratado da forma que você esperava... Simplesmente não é culpa sua.

Depois, comecei a observar os sinais: se uma coisa acontece repetidas vezes e o final é sempre o mesmo, alguma coisa precisa ser mudada, não é mesmo? Então, ao invés de ser a vítima, fui estudar os começos, meios e fins. Mesmo sem perceber, eu estava repetindo atos de meus antepassados. Repetindo, repetindo... Pra mim aquilo era normal. Eu acreditava que não merecia a felicidade, eu era ingrata com tudo que recebia e, de alguma forma, bloqueava e arruinava tudo por não me achar merecedora de tudo que estava recebendo.
E então, comecei a cuidar do meu lado espiritual. Eu estava muito apegada ao material. As roupas da marca, o cabelo da moda, nem vou dizer quantos pares de sapato tenho e que nunca usei. Conheci uma instituição e fiz uma limpeza no guarda roupas.  Desapeguei-me de muita coisa que só me fazia gastar, mesmo que não tivesse, só pelo fato de ter. Afastei-me das pessoas que só estavam perto quando recebiam algo em troca. Mas não fiquei com raiva delas. Substituí o rancor e a mágoa por orações, pelo perdão... Você não sabe o que transformou a outra pessoa no que é hoje e nem por quais problemas está passando pra agir daquela maneira. Apenas troque a raiva por uma prece por aquela pessoa. Você vai ver os resultados assim como eu vi.

Parei de ficar vivendo no passado. E de pensar o tempo todo no futuro: o que vou comer amanhã, o que vou vestir amanhã, quanto dinheiro vou ter amanhã... Enquanto estou escrevendo este artigo, estou pensando neste artigo e no bem que me faz escrever essas coisas, contar sobre a minha história para, possivelmente, incentivar outras pessoas a olhar a vida de outro ângulo. Você nunca sai de um acontecimento “ruim” sem ter aprendido nada com ele. Observe os sinais.


Você é único em suas habilidades. Descubra quais são e invista nelas. Não pense em quanto dinheiro vai conseguir com isso. Faça o que te dá prazer. O que te faz bem. E por consequência, se te faz bem e você coloca amor nisso, os resultados virão. Se passou a vida se envolvendo com pessoas erradas vá ate a base disso. Descubra de onde surgiu essa extrema necessidade de sofrer mesmo que inconscientemente, e controle-a. Você é capaz. E estou conseguindo, você consegue.

Pense mais antes de agir e falar. Uma palavra, um gesto uma atitude tomada na hora errada pode arruinar seu trabalho, sua vida, um relacionamento. Ajude mais as pessoas. Acredite: quanto mais você ajuda de coração mais você recebe de coração. É assim que o Universo funciona. Não fale mal das outras pessoas e não participe de conversas desse tipo. Não julgue. Assim como fazendo o bem você recebe o bem, fazendo o mal você recebe o mal. Quando alguém vier falar mal de alguém pra você mude de assunto, faça um elogio a pessoa. Talvez seja disso que ela precise. Funciona!

Mudanças nunca ocorrem de um dia para o outro. Sou a prova viva disso. Nossa mente fica condicionada a agir do mesmo jeito sempre. Mas quando você se dá conta disso, tudo muda. E você só terá a agradecer. Disse nos artigos anteriores e repetirei: terapia e espiritualidade são a chave para uma vida de conquistas liberdade e felicidade.
Eu desejo a você tudo de melhor! Pratique os passos que citei acima e, em breve, te contarei os demais. Você vai se surpreender com a força interior que tem. E nunca mais vai reclamar, falar das pessoas ou julgar, se culpar ou culpar os outros, guardar mágoas (envelhece sabia?)... Seja a Fênix!


Nos falamos em breve.
Namastê


terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Que mundo você está construindo para seus filhos?


Dias atrás presenciei uma cena muito feia. Em um restaurante, na hora do tumulto, uma atendente passou o troco bem a mais que o devido para a cliente. Imediatamente percebeu o mesmo e, pedindo desculpas, explicou o equivoco à cliente, que respondeu: “está na minha bolsa, é meu. Se vira”. Dias depois, um pai, ciente de diversos crimes que o filho cometeu, ao invés de repreendê-lo (já que é reincidente e se safou anos antes de crimes piores), enviou dinheiro para que o mesmo fuja do país. Sim.
Continuando minha caminhada pela vida, vi pessoas muito ricas humilharem pessoas mais simples por prazer, pessoas que causam brigas entre outras e depois saem de fininho para assistir, como diz minha mãe, “o circo pegar fogo”.  Fofocas, intrigas, tentativas de puxar o tapete do outro, mulheres culpando outras mulheres vítimas de violência pelas agressões que sofreram... um bombardeio de energia negativa.

Até pouco mais de um ano, eu já teria tomado à frente em todos esses casos. Brigado, feito escândalo, exposto nomes... Hoje me coloquei como um mero observador. Um observador triste pelo futuro da humanidade. O que será do futuro da humanidade com estes seres que estamos sendo no presente? O que os filhos desta geração serão no futuro?


Então resolvi me aprofundar ainda mais em mim mesmo, com o objetivo puro e simples de me tornar uma pessoa melhor, mais justa, menos egoísta, mais forte, mais calma. E dar mais atenção às pessoas boas (que não são poucas) que me cercam. Gente que sai do trabalho, cansado, quase meia noite, para ter meia hora de conversa com um amigo que precisa. Gente que tira um tempo no dia corrido para ir a casa de uma amiga conversar e orar junto. Gente faz de tudo pra ajudar o outro se reerguer. Que abre a geladeira pra matar a fome de quem precisa. Gente capaz de dar a vida pelo outro.

Sim, ainda tem muita gente assim pelo mundo. Só precisam se juntar e propagar isso. Eu quero ter filhos em um mundo melhor que esse. Cercado de pessoas boas, caridosas, de coração aberto, espiritualizadas no sentido real da palavra. E que através desses exemplos, começando dentro de casa, meus filhos sejam como estas pessoas. Exemplos valem muito mais que conselhos.

Então, fiz esta pergunta esta semana no meu facebook e agora farei a você: Como você quer ser lembrado pelos seus filhos no futuro? E perguntarei mais: Que homens e mulheres você quer que eles se tornem? Em que mundo você quer que eles vivam? Você se sente bem com suas atitudes do presente? Qual o reflexo dessas atitudes em você e nas outras pessoas? Seus filhos se alegrariam com isso? Se repetissem seus atos, eles seriam pessoas das quais você se orgulharia?

Karma, Lei do retorno, pagamento... Chame como quiser. Um fato é que tudo que vai, volta. Se você quer o bem, faz orações implorando que as coisas andem bem, mas joga praga nas pessoas, trapaceia, rouba, engana... o que espera em troca? Mas se você ora com fervor, vai além da igreja, mas se concentra na espiritualidade, abre o coração, a mente e o corpo para coisas positivas é isso que você vai receber: amor, positividade, o bem... Seja o bem. Pense nisso!


Namastê


terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Deixe a arrogância de lado e seja feliz


Somos pessoas arrogantes. Sim! Dói, não é? Mas é a verdade. Achamos que estamos preparados pra tudo: pra morte, pra uma briga, pra uma demissão, pra uma crise financeira... Quantas vezes já ouvi pessoas dizerem coisas do tipo: “se morrer, morreu”; ou “se eu perder compro outro”, ou “se eu ficar pobre (de dinheiro) consigo tudo de novo”; “ ninguém é igual a mim no meu trabalho porque sou o melhor”; “eu sou mais evoluído”, “eu sou esperto e consigo fazer tudo”, “é difícil pra você? Pra mim é tão fácil”...

Se você não falou uma dessas frases, ou algo parecido com isso, você pensou em algum momento. Antes do meu casamento, eu era uma ótima conselheira para as casadas: “se fosse comigo seria assim”, “se fosse comigo eu não deixaria”... E aí... acontece com você. E você vê que todas as tuas teorias baseadas em NADA valem o mesmo: NADA.
Como disse anteriormente em outros artigos, toda religião que me ensina a ser melhor eu pego o melhor dela e trago pra mim. Uma amiga da Seicho-No-Ie me ensinou uma coisa muito importante. Dentro desta religião tem preletores. Esses preletores orientam somente pessoas que estão passando pelo mesmo que eles já passaram, enfrentaram, digeriram e superaram. Entende a lógica?

Como um professor pode ensinar moda sem nunca ter estudado moda ou trabalhado na área? Como alguém que não entende de matemática e odeia a matéria pode ensinar uma criança a gostar da matéria ou algo sobre ela? Depois do divórcio (que ainda está em andamento e corre em segredo de Justiça), comecei a ouvir pessoas que já passaram pelo mesmo. Apeguei-me ainda mais ao meu lado espiritual. Porque eu, matéria, acreditava que por meditar alguns minutos por dia, fazer yoga, terapia e não fazer mal a ninguém estava muito bem, evoluída e curada. Mas não estava. Arrogância.

Então a vida me virou ao avesso e me fez ver que nada do que está acontecendo é físico. Tudo é espiritual. São lições que eu deveria ter aprendido e precisava aprender pra me tornar um ser humano melhor. E quando eu me abri, e dessa vez de verdade, para o que o Universo estava tentando me dizer, as coisas começaram a ficar mais claras. As lembranças do passado começaram a ressurgir. E a lógica das coisas começou a aparecer. Os “porquês”, os sinais que foram ignorados... Tudo veio à tona de tal forma que eu me assustei. De verdade. Tive medo, chorei copiosamente por dias, tentava encontrar um culpado pra tudo...  

Mas, e as minhas ações? E as minhas escolhas? O que me levou a certo ponto? O que me tirou dos eixos? O que me fez acreditar que eu estava curada? Por que algumas ações que já haviam ficado no passado voltaram à tona? Acredita realmente que isso é físico ou material?
Não, meu caro leitor: é espiritual, mental... E a nossa arrogância não nos deixa ver. Nada nessa vida acontece por acaso. De tudo temos uma lição para tirar. E quando comecei a enxergar isso, me vi cercada de pessoas que me amavam tanto, que acreditavam tanto em mim, que viam além do que eu mesmo podia ver. Comecei a estudar os sinais, ser mais grata pela minha família, mais humilde, pedir mais desculpas...
Um dia estava com a geladeira abarrotada, roupas que não tinha nem onde guardar... No outro, me vi com pão e iogurte em casa. Era o almoço para uma semana. Meu orgulho não deixava que as pessoas que realmente me amavam vissem que, teoricamente, eu havia fracassado. No outro, estava com a geladeira cheia, abraços apertados, correntes de orações e energias positivas, oportunidades... Saí do meu casulo, recusei medicamentos pra “amenizar” a dor.

No começo eu queria fazer qualquer coisa para fugir da dor. Soníferos, reclusão... Mas como superar uma coisa que você não aceita? Palavras de Osho: “Quando aceita, você fica acima, você transcende. Quando luta, você desce para o mesmo nível. Aceitação é transcendência. Quando aceita, você fica sobre uma colina e o corpo é deixado para trás. Você diz, "Sim, tal é a sua natureza. O que nasce tem de morrer e, se tem de morrer, às vezes fica doente. Não é preciso se preocupar tanto" — fale como se isso não estivesse acontecendo com você, só acontecendo no mundo das coisas.
Esta é a beleza: quando não está lutando, você transcende e deixa de ficar no mesmo nível. Essa transcendência torna-se uma força de cura. De repente o corpo começa a mudar. O mundo das coisas é um fluxo; nada é permanente ali. Não espere permanência! Se esperar permanência neste mundo onde tudo é impermanente, você provocará inquietação.
Nada pode ser para sempre neste mundo; tudo o que pertence a este mundo é momentâneo. Essa é a natureza das coisas, a aceitação daquilo que é. Se você relutar em aceitar um fato, viverá o tempo todo na dor e no sofrimento. Se aceitá-lo sem nenhuma queixa, não num estado de impotência, mas de compreensão, trata-se de aceitação daquilo que é. Dali em diante você deixa de ficar preocupado e não existe mais problema”.

Entendeu a diferença? Chore, grite, desabafe. Enfrente a dor. Guardar dentro de você, se tornar recluso e incrédulo só te causará mais dor: amargura, descrença, depressão... E não fomos colocados no mundo para isso. Estamos aqui para aprender, evoluir, melhorar como seres espirituais. A matéria se vai. O que você quer deixar para a humanidade? Se acredita em reencarnação, como quer vir na outra vida? Quer sofrer por diversas vidas até aprender ou aproveitar as chances que a vida está te dando e crescer?
Se acredita que será julgado por Deus no Juízo Final, como quer ser visto? Como a pessoa que se dedicou dia após dia para ser melhor ou como a pessoa que fez o que achava melhor pra não ir “ao inferno”? Você foi bom de verdade ou esperava uma recompensa?

Seja bom de verdade. Seja humano. Seja verdadeiro. Seja humilde. Deixe o orgulho numa caixa trancada e jogue no lixo. Você não vai ser ajudado se ninguém souber pelo que está passando. Você não vai ter oportunidades se não correr atrás delas. Mas, você vai ser julgado se preferir se sentar e julgar. Vai ficar amargurado quando perceber que a sua bondade era por esperar algo em troca. Não se compadecerá com a dor e o sofrimento dos outros. Nem mesmo com o seu. Deixe a arrogância de lado e seja feliz.

Namastê